Trinta por uma linha – LA Clippers

Voltamos à nossa rubrica que analisa a temporada das 30 equipas da NBA. Hoje vamos falar dos Los Angeles Clippers, que terminaram com um record de 44-38.

Expectativas / Realidade

Apesar de terem sido atormentados pelas lesões nos últimos anos, esperava-se uma temporada de qualidade dos Clippers, que pudesse guiar a uma campanha positiva nos playoffs. O investimento feito no verão de 2019 só se poderá compensar com a conquista do tão prometido primeiro título da história da franquia.

Após uma temporada de altos e baixos, a equipa garantiu a classificação direta para os playoffs, enfrentando os Phoenix Suns. Mas mais uma vez, os Clippers foram atraiçoados pelas lesões. Primeiro foi a ausência de Paul George nos playoffs, e mais tarde, a machada final, a lesão de Kawhi Leonard, mais uma vez.

Destaques Individuais

Kawhi Leonard e Paul George 52 e 56 jogos, respetivamente. Os dois jogadores tiveram a mesma média de 23.8 pontos por jogo. Apesar das lesões, demonstraram que a qualidade continua lá. Com dois anos restantes nos contratos, as duas estrelas ainda poderão ter oportunidade de inaugurar a cabine de títulos dos Clippers, se estiverem saudáveis para tal.

Norman Powell foi um dos jogadores mais importantes da temporada. Com média de 17 pontos por jogo, foi uma das alavancas ofensivas da equipa, especialmente quando faltava uma das estrelas. Na sua primeira temporada completa com os Clippers, o jogador demonstrou o seu valor.

Russell Westbrook, contratado no trade deadline, foi também importante no desfecho de temporada dos Clippers e deu bons indicadores para o futuro, caso a equipa opte por manter o jogador. “Russ” conseguiu ser influente no “playmaking” da equipa, realizando ainda algumas performances “vintage” nos playoffs.

De realçar alguns jogadores dos Clippers que, após algumas temporadas, “abandonaram o barco”. Luke Kennard e Reggie Jackson foram trocados a meio da época, e os Clippers poderão ter mais espaço salarial no verão.

Futuro

O futuro da equipa acaba por ser uma incógnita. A lesão de Paul George, apesar de o ter afastado dos playoffs, deve estar resolvida no início dos trabalhos de pré época. Por outro lado, a situação de Kawhi é novamente complicada, sendo que até o próprio comentador Stephen A Smith já recomendou que o jogador considerasse retirar-se. No entanto, há quem acredite que pode não se tratar de algo tão grave, e que o jogador esteja pronto no arranque de 2023-24.

De qualquer forma, os Clippers não podem optar por deixar de ser competitivos, até porque nem se trata de uma opção. A troca de Paul George deixou a equipa sem recursos para o futuro, e a competitividade é o único caminho nos próximos anos.

Renovar com Westbrook e garantir algumas peças importantes para a rotação são as principais tarefas da equipa para a “offseason”. A qualidade está lá, mas as lesões continuam a “amaldiçoar” o projeto dos Clippers, que deverão mudar de casa no decorrer da próxima época, pois irão ter a sua própria arena.

Vasco Oliveira

Estudante de Ciências da Comunicação com o sonho de um dia poder trabalhar no jornalismo desportivo. @vascoliveira8 no Twitter

1 thoughts on “Trinta por uma linha – LA Clippers

Deixe um comentário