Porque deverão os Bulls explodir a equipa

Há dois anos, os Chicago Bulls aproveitaram a mudança repentina dos Orlando Magic para recuperar Nikola Vucevic, poste All-Star com várias temporadas em torno de 20 pontos e 10 ressaltos por jogo. A equipa da Flórida, eliminada na primeira ronda dos playoffs por dois anos consecutivos, apesar de vários veteranos de boa qualidade, optou por mudar a equipa a meio da temporada com as saídas de Aaron GordonEvan Fournier e, Vucevic.

Os Bulls negociaram Wendell Carter JrOtto Porter Jr e duas picks de draft para conseguir o interior montenegrino. A ironia é que quase dois anos depois, a equipa de Illinois encontra-se exatamente na situação que levou os dirigentes dos Magic a se separarem dos jogadores. Autores de um bom início de temporada no ano passado, os Bulls foram eliminados na primeira fase. Nada sugere que eles se sairão melhor em 2023 ou mesmo em 2024. E, novamente, isto se eles conseguirem alcançar o top 8 (ou mesmo o top 10!) da sua conferência.

Vucevic é um excelente jogador, mesmo que as suas qualidades nem sempre correspondam aos padrões do poste moderno. As suas estatísticas estão baixas. Mas ainda traz 15 pontos e 11 ressaltos, mas sem ser um dos melhores da liga na sua posição. Franz Wagner, escolhido por Orlando com uma das escolhas de Chicago, é um jogador mais adequado para o basquetebol de hoje (embora não necessariamente mais forte) e certamente é mais promissor neste ponto das respetivas carreiras.

Os Bulls tiveram mérito ao tentar ser o mais competitivo possível ao trazer “Vooch” e DeMar DeRozan para fazer parceria com Zach LaVine. Os jogadores são talentosos, mas o trio não é necessariamente complementar. Têm um diferencial de -6,3 em 100 posses. Particularmente preocupante. Apenas 107,6 pontos marcados (novamente em 100 posses) quando jogam juntos, o equivalente ao 28º ataque da liga. Uma pena para três estrelas focadas no ataque.

As perspectivas de desenvolvimento também são muito limitadas. Vucevic e DeRozan já passaram dos trinta. LaVine tem 27. Esta combinação não será muito melhor, Chicago dificilmente poderia reivindicar algo além de uma segunda ronda de playoff. Mesmo com Lonzo Ball, esta equipa mantém-se abaixo dos Boston Celtics ou dos Milwaukee Bucks.

A temporada promete ser complicada e está longe de terminar. Apesar das suas estrelas e veteranos, os Bulls estão apenas em décimo segundo lugar no Este com um recorde negativo (9-12). Venceram Milwaukee e Boston consecutivamente, com certeza, mas pareciam mais vitórias isoladas do que uma tendência real.

Além da escolha que foi usada para escolher Wagner, Chicago cedeu outra no draft. A de 2023. E está protegida apenas para as posições 1 a 4. No atual estado de coisas, a equipa teria mais de 60% de possibilidades de passar para Orlando, que assim teria a oportunidade de escolher duas vezes no top-10 do próximo Draft. Isto seria muito problemático para os Bulls, que realmente não têm nenhum jovem de alto potencial na equipa. Patrick Williams dececiona e Coby White continua limitado. Ayo Dosunmu é interessante, mas ainda tem limitações.

Um Alex Caruso pode interessar a muitas equipas. Os Golden State Warriors provavelmente dariam um James Wiseman ou um Jonathan Kuminga. DeMar DeRozan ainda vale a pena ser trocado com o nível mostrado. Zach LaVine também. Nikola Vucevic pode trazer de volta alguns ativos.

A perspectiva de uma reconstrução potencialmente longa certamente não é a mais empolgante para a base de fãs de Chicago, uma das mais lendárias do campeonato. Mas fica menos triste do que o cenário inevitável em que os Bulls acabam constantemente entre o sétimo e o décimo segundo lugar.

É melhor avançar tentando maximizar as possibilidades de manter esta escolha de draft entre os 4 primeiros. Depois o sonho de recuperar Victor Wembanyama, ainda que as odds sejam reduzidas, continua mais empolgante do que a atual equipa. Arturas Karnisovas, nomeado chefe da equipa em 2020, ainda não teve uma reconstrução significativa. A sua aposta honrosa para manter os Bulls no topo pelo menos ajudou a trazer a equipa de volta aos playoffs. É hora de pensar grande. Mas para isso, tem de explodir a equipa.

Deixe uma resposta