A verdadeira razão do começo lento de Harden

Após 5 jogos, os Brooklyn Nets têm apenas 2 vitórias, e grande parte destas derrotas (para além da ausência de Kyrie Irving) deve-se às performances medíocres de James Harden. Atualmente, o MVP da época 2017-2018 regista uma média por jogo de apenas 16 pontos, 8 assistências e 7 ressaltos.

James Harden está a começar esta época de uma forma que não estamos acostumados. De facto, ver um jogador que já marcou em média 36 pontos por jogo, a marcar agora apenas 16, parece… pouco. A verdade é que estamos mal habituados, mas Harden sempre foi uma máquina de pontos. Mas então qual é a razão deste número tão baixo de pontos?

À primeira vista a resposta será simples: a recente alteração das regras – a qual fez com que os movimentos não naturais de lançamento não pudesse gerar falta marcada a seu favor – está a prejudicar um dos jogadores que mais procurava sofrer faltas para ter lances livres. Se não sabem que “movimentos” estamos a falar, vejam:

De facto, se analisarmos os números há uma diferença estrondosa e evidente. Nos primeiros três jogos das épocas de 18-19, 19-20 e 20-21, Harden registou respetivamente 25, 48 e 36 faltas. Esta época? 9. Apenas 9 faltas em três jogos. Efetivamente, os árbitros já não cedem aos “espamos”, ganchos e outra manobras corporais de Harden, pelo que a redução de lances livres e, consequentemente, de pontuação é legítima. Então, é isto que podemos esperar do shooting guard para o resto da temporada? ´James Harden é um jogador apenas bom? O ex-MVP não é o pontuador que nós achávamos?

Tudo errado.

Na última entrevista a Harden, após a derrota frente aos Miami Heat, o jogador explicou o verdadeiro motivo por trás do seu recém insucesso. Após um ano marcado pela sua ausência devido a lesões, Harden não pôde treinar durante o verão inteiro! O jogador realizou sobretudo sessões de fisioterapia e decidiu tomar a abordagem mais prudente, gerindo com muita calma a sua recuperação. Harden sofreu a mesma lesão três vezes ao longo da época passada, portanto esta off-season foi apenas dedicada a voltar a estar fisicamente capaz. Na entrevista referiu: “este é apenas o meu quinto ou sexto jogo a jogar contra competição e a jogar contra alguém. E por muito que queira acelerar o processo e voltar a matar a competição, tenho de levar o meu tempo porque sei que isto me vai tornar mais forte”. Harden reconheceu que não estava a jogar ao seu nível usual e explicou a solução: “só tenho de ser mais confiante, ser mais agressivo e melhorar a cada jogo”.

Todos já vimos os memes sobre a má condição-física de Harden. E não é mentira nenhuma que ele provavelmente nunca esteve tão pesado e lento. Efetivamente, isto é o grande desafio do jogador neste momento. James Harden, em virtude das lesões que sofreu, não conseguiu treinar devidamente, e preparar-se, como de costume, para a época vindoura. Contudo, não tenham quaisquer dúvidas que é apenas uma questão de tempo até o extremo voltar à sua “forma natural” e aí veremos o jogador que tão bem conhecemos a ganhar na velocidade e a tacar agressivamente o cesto. Aliás, há que relembrar a época de 2018-2019. Em dezembro de 2018, os Rockets (antiga equipa de Harden) estavam em penúltimo lugar da conferência oeste, e todos os descartavam como equipa participante nos play-offs, especialmente quando Chris Paul se lesionou. O que aconteceu depois disso foi um feito incrível. De acordo com o seu treinador da época, Mike D’Antoni, James Harden aumentou a intensidade dos seus treinos de uma forma louca. Graças à dedicação de Harden, os Rockets passaram de 11 vitórias e 13 derrotas (14º lugar) para 53 vitórias e 29 derrotas (4º lugar). Uma reviravolta que ninguém conseguiu prever. Foi precisamente nessa época que Harden acabou com uma média absurda de 36 pontos por jogo.

Ou seja, o problema de Harden não se deve a desmotivação, preguiça ou falta de vontade. Simplesmente, fisicamente, o jogador não se encontra a 100%. Mal esteja, que deve ser num futuro próximo, Harden e os Nets vão assumir as rédeas dos jogos e corresponder às expetativas e níveis que lhes são exigidos.

João Araújo Correia

Licenciado em Direito, 23 anos e sou fã incondicional dos Clippers desde a era da Lob-City. Desde pequeno que adoro basquetebol, tanto de ver como jogar! Apesar do Patrick Beverly estar enganado quanto aos próximos 5 anos serem dos Clippers, espero que seja, pelo menos, 1!

Deixe uma resposta