Previsão 20/21: Minnesota Timberwolves

O projeto dos Minnesota Timberwolves não tem sido dos mais bem sucedidos na NBA.

A organização tem 32 anos de história na competição, só tendo conseguido chegar à fase de playoff por 9 ocasiões. Na última década, contam apenas com uma entrada na fase decisiva da temporada, conseguida em 2019, com Jimmy Butler ainda na equipa.

Na última época, mais uma frustração para os “Minny”, com um registo pobre de 23-49 na fase regular, ocupando os últimos lugares do forte Oeste.

Entradas: Patrick Beverley e Taurean Prince

Saídas: Jarret Cluver, Hernangomez e Ricky Rubio

Cinco inicial previsto: PG Russell, SG Beasley, SF Edwards, PF Prince, C Towns

Depois de várias épocas a desiludir, espera-se que Minnesota possa fazer um pouco melhor que na temporada transata. O seu plantel teve um acrescento de qualidade individual, com as chegadas de Beverley e Prince. Juntando estes nomes às principais estrelas, Edwards, Towns e Russell, podem existir bases para uma época mais risonha em 2022.

O aquiles da equipa continua a ser as opções vindas do banco, com pouca qualidade a sobressair na restante rotação do plantel. Sem esse equilíbrio, os Wolves poderão ter problemas ao longo da temporada, principalmente se algum dos jogadores que se prevê entrarem no cinco fique afastado da equipa com problemas físicos.

Em conclusão, podemos apontar os Wolves como uns candidatos a um registo perto das 30 vitórias na temporada. Não cremos que a qualidade individual e sobretudo coletiva permita muito mais do que isso, sendo cedo para podermos prever a fasquia dos 50% de vitórias, num Oeste tão competitivo.

Na sua divisão, e por sinal as equipas com as quais os Wolves ir´´ão ter mais confrontos, parece que quase todas elas (com exceção dos OKC) estão bem acima dos T-Wolves- (Jazz, Blazers, OKC e Nuggets)

João Pinto

Licenciado em Direito- Universidade Católica Portuguesa; Apaixonado pelo desporto e pela melhor liga do mundo; Fã dos Boston Celtics desde o título de 2008, quando uma equipa começou a dizer "Ubuntu" aos 3...

Deixe uma resposta