Lendas da NBA: N°3 – Magic Johnson

Chegamos ao pódio da nossa lista de melhores jogadores de sempre, e no último lugar do pódio de lendas está Magic Johnson, o melhor base de sempre.

Earvin Johnson, que seria conhecido como Magic Johnson para os amantes de basket, tornou-se um fenómeno ainda no basket universitário, criando uma rivalidade que seria uma das maiores da história do basket com outro gigante da modalidade, Larry Bird.

Magic Johnson destacava-se pela visão de court única, com olhos nas costas, e com grande inteligência de jogo, aliados a uma técnica de passe nunca antes vista, antes ou depois, fizeram de Magic Johnson um base revolucionário, capaz de aliar espetáculo a eficácia.

Após o título universitário em 1979 pela universidade de Michigan, frente à equipa liderada por Larry Bird, e também o título de Most outstanding player da final four do NCAA tournament, Magic Johnson seria naturalmente a 1a escolha do draft de 1979, estreando-se no mesmo ano do seu rival Larry Bird, que havia sido jogador universitário do ano, mas que já havia sido escolha do draft no ano anterior, apesar de ter continuado mais um ano na universidade.

Logo na época de estreia, Magic fez jus à sua alcunha, e com um basket de uma beleza raramente vista afirmou-se como uma estrela numa equipa dos Lakers que já contava com Kareem Abdul Jabbar, outra lenda do basket. Seria nesse mesmo ano votado para o all-star pela 1a vez, tal como Larry Bird, e mais incrível ainda, seria MVP das finais no ano de rookie, algo inédito. As suas médias na época seriam de 18 pontos, 7.7 ressaltos e 7.3 assistências, que lhe valeram lugar na equipa rookie do ano, só não sendo rookie do ano porque Larry Bird também esteve a um nível muito elevado. Nas finais frente aos Sixers, Magic Johnson teve uma performance fantástica após a lesão de Kareem Abdul Jabbar no jogo 5, com 42 pontos, 15 ressaltos, 7 assistências e 3 roubos de bola no 6° e último jogo das finais. Na série toda, Magic teve médias de 21.5 pontos, 11.2 ressaltos, 8.7 assistências e 2.7 roubos de bola. Incrível, e apesar da lesão de Kareem Abdul Jabbar ter ajudado, o prémio de MVP das finais estava bem entregue. De relembrar que nesse jogo, Magic Johnson fez várias posições, incluíndo a de poste, a substituir Kareem, uma prova da sua versatilidade.

No ano seguinte foi a vez do seu rival Larry Bird levar o título pelos Celtics, Johnson por sua vez teve uma lesão grave que o afastou durante a maior parte da época, regressando a tempo dos play-offs, mas para serem eliminados pelos Rockets, futuros finalistas.

Em 81-82 Magic Johnson voltou à sua melhor forma, e voltou a ser incluído no all-star, para além de ser incluído na 2a equipa da NBA, para isso contribuiram as suas médias de quase triplo-duplo, 18.6 pontos, 9.6 ressaltos, 9.5 assistências e ainda 2.7 roubos de bola, um máximo da época. Magic Johnson era já treinado por Pat Riley, e seria campeão outra vez ao derrotar os Sixers de Erving e Malone em 6 jogos, sendo MVP das finais pela 2a vez, com médias de 16.2 pontos, 10.8 ressaltos, 8 assistências e 2.5 roubos de bola.

Na época seguinte Magic Johnson seria incluíndo na 1a equipa da NBA pela primeira vez e afirmava-se cada vez mais como um dos 2 melhores jogadores do Mundo, o outro sendo Larry Bird, com médias de assistências incríveis, fazendo da NBA um espetáculo e atraindo novo público, numa altura em que a NBA tinha passado por uma profunda crise em termos de popularidade, assim Magic estava a ajudar a NBA a tornar-se um fenómeno de popularidade. Nesse ano de 82-83, Johnson falhou o título, ao perder nas finais para os Sixers, que se vingaram e venceram em 4 jogos. Seria pela primeira vez líder de assistência, ele que passava melhor que qualquer outro jogador na liga.

Em 1983-1984 começou o pico da rivalidade de Magic com Bird, ao disputar a primeira de várias finais com Celtics. A nível individual, Bird levaria a melhor e seria MVP pela primeira vez em 84, com Magic a ter a vantagem de títulos ganhos.

As finais de 84 foram das mais memoráveis de sempre, com as finais a serem decididas no jogo 7. Apesar de Bird ter levado a melhor, Magic Johnson voltou a dar show e teve médias de 18 pontos e 13.6 assistências. Nessa época seria líder de assistências outra vez, com média de 13.1 assistências.

Em 1985, apesar de Larry Bird ter sido de novo MVP, título que ainda lhe escapava, seria de novo campeão, noutra final contra os Celtics, vencida em 6 jogos, com Magic em grande nível, apesar de o MVP das finais ter sido Kareem Abdul Jabbar.

Em 1986 Magic Johnson teria outra grande época, outra vez melhor assistente da liga, e com médias de 18.8 pontos e 12.6 assistências, mas nem assim seria MVP, com Larry Bird outra vez a levar a melhor. Nos play-offs a sua forma ajudou a equipa a chegar às finais de conferência, onde seriam derrotados pelos Rockets, já com Hakeem Olajwon.

Em 1986-1987, Magic Johnson teria para muitos a melhor época da sua carreira, conseguiria ser MVP pela 1a vez, seria campeão e MVP das finais de novo. Era a sua plena vitória sobre Larry Bird e os Celtics, seria pela 4a e última vez líder de assistências. As suas médias de época foram de 23.9 pontos, 12.2 assistências e 6.3 ressaltos por jogo. Nas finais os Lakers precisariam de 6 jogos para vencerem, Magic esteve sublime nessas finais, com médias de 26.2 pontos, 13 assistências, 8 ressaltos e 2.3 roubos de bola.

Nesta altura Magic Johnson era já considerado o melhor do Mundo, por cima de Bird e do emergente Jordan.

Magic Johnson voltaria a fazer magia na época seguinte, sendo de novo campeão, desta vez frente aos Pistons de Isiah Thomas em 7 jogos, mas seria James Worthy o MVP apesar das grandes exibições de Magic Johnson. Nessa época falharia o MVP para Michael Jordan.

Johnson seria de novo MVP em 89, com mais uma temporada de grande nível, com médias de 22.5 pontos, 12.8 pontos e 7.9 ressaltos por jogo, ficando com um a menos que o seu rival Larry Bird, que começava a ter problemas físicos. Mais uma vez os Lakers iriam às finais, mas desta vez os Bad Boy Pistons varreriam a equipa de Los Angeles, com Magic a lesionar-se no jogo 2.

Magic Johnson teria mais uma época fenomenal em 1989-1990, com mais um prémio de MVP, igualando os 3 de Larry Bird. Contudo, o nível dos Lakers de Pat Riley já não era o mesmo, uma mistura de vetetania e o aparecimento de outras equipas ditaram o declínio dos Lakers, que já haviam sido atropelados no ano anterior. Também já não havia Kareem Abdul Jabbar. A nível individual foi das melhores temporadas de Magic, a juntar o MVP da fase regular ao MVP do all-star game pela 1a vez. As suas médias de época foram de 22.3 pontos, 11.5 assistências e 6.6 assistências. Nos play-offs foram os Suns de Charles Barkley a eliminar os Lakers.

A sua média de pontos cairia na época de 90-91 (19.4), aumentando em assistências (12.5). Contudo, continuava a ser um dos 2 melhores jogadores da liga, só perdendo para o MVP da época Michael Jordan. Os seus Lakers já tinham Divac e Worthy estava já muito veterano, e Pat Riley já não era o treinador. Mesmo assim conseguiu levar os Lakers a mais uma final, perdendo para aos Bulls de Jordan, que eram simplesmente impossíveis de conter. A série foi decidida em 5 jogos. Magic Johnson jogaria então a sua última final.

Na época seguinte Magic Johnson anunciaria o fim da sua carreira, por causa do infame vírus HIV, anunciando a retirada em Novembro, numa conferência de imprensa. Apesar da sua retirada, seria votado pelos fãs para o jogo do all-star, no 5 inicial, sendo MVP do jogo pela 2 e última vez na carreira. A sua verdadeira despedida do basket seria nos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992, como parte da melhor equipa de basket alguma vez reunida. Magic Johnson teve atuações a lembrar o melhor Magic do final da década de 80, um final de carreira que Magic Johnson bem mereceu, junto aos melhores do Mundo.

Magic Johnson anunciou que ainda tentou voltar à NBA, mas que desistiu por oposição de outros jogadores, apesar de ter jogado nos Olímpicos após ser detectado com o vírus.

Magic Johnson desde então tem sido um embaixador da NBA, e tem desempenhado vários cargos, incluíndo o de GM dos Lakers, cargo ao qual renunciou recentemente.

Magic Johnson entrou para a história como o melhor base de sempre, o jogador com melhor técnica de passe, e pelo movimento característico de no-look pass, copiado por muitos outros jogadores como Steve Nash ou Jason Williams.

No seu legado estão 5 títulos da NBA, 3 MVPs da fase regular, 3 MVPs de finais, 2 MVPs do all-star game, 12 inclusões no all-star game, 9 inclusões na 1a equipa da NBA, 4 títulos de melhor assistente, 2 títulos de líder em roubos de bola e o ouro olímpico, a culminar uma ímpar carreira.

O seu número, 32, foi retirado pelos Lakers, enquanto a universidade de Michigan retirou o número 33, que ele usava.

Para a ESPN, Magic Johnson foi o 4° melhor jogador de sempre, atrás somente de Michael Jordan, Kareem Abdul Jabbar e LeBron James.

Pedro Ribeiro

Formado em Ciências da Comunicação, trabalhou como Jornalista e Assessor de Comunicação. Fã da NBA, participou em vários projetos sobre esta liga. Fundador do site www.nbaportugal.com https://twitter.com/pedrofmribeiro

Deixe uma resposta