A nova estrela em Sacramento, pode ditar mudanças

De’Aaron Fox foi durante algumas temporadas a luz na escuridão de Sacramento. Um jovem líder determinado a trazer os Kings de volta a melhores lugares no Oeste, no entanto a equipa não vê os playoffs há quase 16 anos. Embora tenha assinado um contrato robusto (163 milhões) no ano passado, hoje questiona-se se Fox é o homem certo para líder. Não é tanto a sua regressão estatística que causa essa sensação, ter meia temporada abaixo do esperado pode acontecer, mas a sensação de que a equipa agora tem Tyrese Haliburton.

Alguns vão evocar que é uma amostra muito curta. Mas ao assistir aos jogos dos Kings desde o início da temporada e ainda mais no final do ano, vemos um líder em Tyrese Haliburton. Fox não perdeu todas as suas qualidades, longe disso. Mas é difícil considerá-lo atualmente como o líder de uma equipa de sucesso. Já o seu colega de segundo ano joga com maturidade, compostura e inteligência que fazem querer dar-lhe as chaves da equipa.

Nos últimos oito jogos de Sacramento, Haliburton fez sete duplo-duplo, cinco com pelo menos 20 pontos e 10 assistências, todos a lançar a mais de 50 por cento. É verdade que os Kings venceram apenas três dos oito jogos em questão, mas o tempo de jogo e a influência do ex-Iowa State dispararam. 

Neste momento, é um pouco difícil imaginar Fox e Haliburton compatíveis a longo prazo. Se Sacramento acredita em Tyrese Haliburton tanto quanto muitos observadores acreditam agora, não seria melhor procurar uma saída para De’Aaron Fox durante o Verão? Fox parece cada vez mais desiludido fora de campo. Uma mudança de cenário e contexto também não o prejudicaria, mesmo que parecesse improvável um ano atrás.

O seu valor ainda é alto, pois tem apenas 24 anos e um perfil que pode servir a muitas equipas ambiciosas que procuram uma segunda ou terceira opção de alto nível. Em troca, os Kings poderão recuperar um jogador de bom nível que precisaria menos de bola para se mostrar e poderia deixar as rédeas do jogo para Haliburton.

Deixe uma resposta