O trágico dia de 26 de Janeiro explicado

A 26 de janeiro de 2020, há exatamente um ano, o mundo do desporto entrava em choque com a notícia da morte de Kobe Bryant.

Naquele domingo chegaram as notícias que davam conta do desaparecimento da antiga estrela dos Los Angeles Lakers, mas muita tinta ainda iria correr.

Kobe Bryant morreu durante um acidente de helicóptero, em Calabasas, na Califórnia. Além do antigo atleta, mais oito pessoas morreram, entre eles uma das suas filhas, Gianna, de apenas 13 anos.

O acidente ocorreu pouco tempo depois das 10h00 da manhã na Califórnia em Las Virgenes Road, perto de Agoura Road, num dia de intenso nevoeiro. Após a queda, o aparelho, um Sikorsky S-76, incendiou-se. Kobe viajava para um jogo onde a sua filha Gianna ia jogar.

Além de Kobe e Gianna, seguiam também no helicóptero John Altobelli, ex-jogador de basebol da Universidade de Houston e que treinava e dirigia o Orange Coast Coallege, a esposa Keri Altobelli e a filha Alyssa, também de 13 anos.

Christina Mauser, treinadora de basquetebol que trabalhava na academia de Kobe Bryant, foi outra das vítimas do trágico acidente. Mais tarde, as identidades de Payton Chester, também companheira de equipa e amiga de Gianna, e da mãe Sarah, foram confirmadas pela família no Instagram. A outra vítima foi o piloto Ara Zobayan.

Dias depois da tragédia, a organização norte-americana que investiga acidentes de transportes informou que os destroços do helicóptero não revelaram quaisquer indícios de falha no motor. A partir desta altura, começou a ser investigada a possibilidade de o piloto ser o culpado.

Ao que se sabe, a investigação ainda está em curso, um ano depois do trágico episódio que entristeceu o mundo do basquetebol, deixando todos de luto pelo falecimento de todos os que iam a bordo.

João Pinto

Licenciado em Direito- Universidade Católica Portuguesa; Apaixonado pelo desporto e pela melhor liga do mundo; Fã dos Boston Celtics desde o título de 2008, quando uma equipa começou a dizer "Ubuntu" aos 3...

Deixe uma resposta