Benfica derrotado na FIBA Europe Cup

O Benfica não conseguiu vencer em casa o medi Bayreuth esta quarta-feira, perdendo por 77-91, na quinta jornada do Grupo I da FIBA Europe Cup. As equipas chegaram ao encontro em igualdade pontual, sendo que o medi tinha vencido em casa o Benfica.

Kobe recordado

Os portugueses, que contaram com Coleman regressado de lesão, entraram bem na partida, acabando o primeiro período a vencer por 23-20, com um buzzer beater de Rafael Lisboa. No segundo período, o Benfica aumentou a intensidade na defesa e concretização no ataque, chegam ao intervalo a vencer por 50-34. Arnette Hallman e José Silva eram os melhores marcadores com 9 pontos, no medi destacava-se o poste Andreas Seiferth.

Após o intervalo, os alemães entraram com outras intenções, fazem um parcial de 0-16, empatando a partida a 50 pontos em 5 minutos. O Benfica tenta reagir, e termina o período a perder por dois pontos, 59-61. No último período, os alemães continuam o seu bom jogo e aumentam a vantagem.

Os melhores marcadores no Bayreuth foram Lukas Meisner, 17pts, 5res e Bastian Doreth com 16 pts, 4 ast. No Benfica Anthony Ireland 13pts 5ast, 2rb e Arnette Halman 12pts, 5res destacaram-se.

Nas contas do Grupo I, o Benfica ficou com 8 pontos, precisa de vencer o seu último jogo na Dinamarca frente ao Bakken Bears para continuar na prova.

No final Carlos Lisboa referiu: “Estivemos melhor na 1.ª parte do que na 2.ª, e aí não conseguimos manter a vantagem de 16 pontos que tínhamos. Defrontámos uma grande equipa. Independentemente do resultado, a última jornada é que vai decidir tudo em relação ao nosso apuramento. Queríamos ganhar, não fomos suficientemente fortes na 2.ª parte e acabámos por perder. Eles foram superiores e há que dar os parabéns à equipa alemã.”

No medi Bayreuth, Raoul Korner (treinador) comentou: “Parabéns aos meus jogadores! Fizemos uma excelente segunda parte. Eu acho que temos boas atitudes e qualidade. Nos primeiros cinco minutos, fomos capazes de jogar o jogo como pretendíamos. De repente, no entanto, parámos de fazer o que nos distingue tanto na defensiva quanto na ofensiva. Tornamo-nos passivos demais na defensiva e permitimos ao Benfica voltar ao jogo. Isso naturalmente fortaleceu sua autoconfiança. Eles moveram bem a bola, enquanto paramos de recuperar. No segundo parte, no entanto, fizemos tudo isso muito bem. Chegámos com a atitude certa.”

Deixe uma resposta