As maiores histórias por resolver da época 2019/20 – Parte 5

A época da NBA está suspensa por tempo indeterminado e, com ela, todas as esperanças, dúvidas e expetativas que poderíamos ter. É cruel que, uma das épocas mais atrativas da última década, tenha sido cortada com a Pandemia que assola o Mundo.

Poderemos nunca ter um fim para esta época e, assim, a resposta ás nossas maiores dúvidas e curiosidades que ainda se iriam desenrolar. Existiam tantas histórias durante esta época, tantas apostas nas equipas para lutar pelo título, tantas surpresas que estavam a acontecer, pelo que vamos esmiuçar 5 das maiores histórias que ficaram, até ao momento, por resolver, num artigo dividido em 5 partes.

A experiência Micro-Ball dos Rockets

As 3 principais figuras dos Rockets, Daryl Morey, Mike D’Antoni e James Harden, à muito que puxam os limites do convencional, e esta época foram ainda mais além com a decisão radical de erradicar a posição que à muito definia a NBA. Até Clint Capela, que mostrou ótimas médias como “roll player”, tornou-se algo como um entrave para os objetivos dos Rockets e foi trocado a meio da época, troca esta que envolveu 4 equipas e trouxe Robert Covington para Houston.

A jogarem sem um poste de raiz, foi particularmente libertador para Westbrook que, com mais espaço à volta dele e menos obstáculos até ao cesto, jogou o seu melhor basquetebol com a camisola dos Rockets e, provavelmente, da sua carreira. Os Rockets chegaram à conclusão que não podiam jogar com tantos “não atiradores” no seu 5 mais usado e Westbrook foi, claro, uma opção mais forte a ficar do que Capela. Covington ofereceu à equipa o espaço para desbloquear os seus melhores jogadores enquanto chateava os adversários do outro lado do campo, parecendo mostrar que a falta de um poste de raiz não seria sentida numa equipa tão baixa.

Este estilo resultou durante algum tempo e ofereceu-nos algumas surpresas. Houston estava 7-2 nos seus primeiros 9 jogos com o Covington, perdendo 4 dos próximos 5 até à suspensão da liga. Em suma, os Rockets tiveram um “net rating” interessante, com 2.1 após o trade deadline, mas nunca mostraram que poderiam ser uns verdadeiros candidatos a uma surpresa nos playoffs.

Poderemos nunca conseguir ter um verdadeiro vislumbre desta experiência, os problemas que os Lakers poderiam criar pelo seu tamanho ou o que os Clippers poderiam fazer com a utilização do seu próprio Small-Ball, ou que implicações isto poderia ter numa liga em que se gosta de imitar o que está na moda.

Deixe uma resposta