Washington Wizards: sucesso no altruísmo e no esforço coletivo

Os Washington Wizards detêm a melhor classificação na conferência Este, estando em primeiro lugar com 8 vitórias e apenas 3 derrotas. Um acontecimento surpreendente que ninguém conseguiu prever. Analisemos as razões deste sucesso.

Para começar, vamos atacar o óbvio e falar do melhor jogador da equipa: Bradley Beal. Registando uma média de 23 pontos, 6 ressaltos e 6 assistências, o jogador prepara-se para ser selecionado pela 4ªa vez como All-Star. Mais uma bela época de Beal que é sem dúvida a peça central desta equipa. Mas o mais importante, como veremos adiante, é que já não tem de carregar esta equipas toda às costas. Aliás, os Wizards estão a ter muito sucesso e Beal está a ter uma época até bastante insatisfatória da linha de triplo com 25% de eficácia. Em condições normais isto traduziria-se em derrotas, mas não é o caso. Então porquê?

Duas palavras: esforço coletivo. Esta é a principal razão para este sucesso. A verdade é que na época passada os holofotes estavam virados para Beal e Westbrook. E agora, tendo os Wizards adquirido peças muito valiosas com a troca de Westbrook (Kuzma, Harrell e KCP), a equipa já não depende de um ou dois jogadores, mas sim do plantel quase todo. E isto está claramente evidenciado em todas as vitórias. Por exemplo, na vitória contra os finalistas da conferência Este do ano passado, os Atlante Hawks, os Wizards ganharam tendo 4 jogadores – Beal, KCP, Kuzma e Harrell – registado mais de 20 pontos. Na vitória frente aos Grizzlies, 7 jogadores de Washington registaram mais de 10 pontos. Não esqueçamos que os Wizards têm, ainda, outra peças incríveis. Por exemplo, Spencer Dinwiddie frente aos Pacers marcou 34 pontos. Ora, isto é ótimo para tirar carga dos ombros de Beal. Davis Bertans é, também, um jogador que encaixa facilmente em qualquer equipa e rapidamente a torna melhor. Apesar de não estar a ter o melhor começo, é um atirador letal (40% triplo na carreira), que para um big man como ele é ótimo para descongestionar o garrafão e dar mais espaço ao ataque.

Vejam os highlights frente aos Grizzlies. Os egos foram deixados à porta e todos os jogadores confiam nas capacidades uns dos outros:

Por outro lado, a troca que os Wizards fizeram por KCP, Kuzma e Harrell revelou-se fantástica. Este três ex-jogadores dos Lakers estavam a ter prestações dececionantes em LA e parte disso foi por estarem descontentes com os seus papéis nessa equipa. Em Washington são tratados como partes tão importantes para o sucesso da equipa quanto Beal. Analisemos:

Kyle Kuzma: o extremo está a gostar bastante de ser titular e ter uma responsabilidade acrescida. Aliás Kuzma já foi o escolhido para ser o lançador em momentos finais de jogo (“espetou” dois triplos no final do jogo contra os Cavs para roubar a vitória). Neste momento, Kuzma tem marcado 15 pontos por jogo e recolhido 9 ressaltos. Parece que este novo papel está a fazer-lhe bem. A confiança própria muitas vezes ganha-se pela confiança que os outros depositam em alguém, e Beal fez por isso para Kuzma, vejam as “daggers” que Kuzma marcou para assegurar a vitória frente aos Cavs:

Montrezl Harrell: Trezz voltou à sua forma de 6 Man of the Year! Vindo do banco está a registar uma média de 18 pontos e 9 ressaltos! Será, certamente, um sério candidato a este prémio. Mas qual é a diferença no ano passado para este? Trezz respondeu de forma simples a esta questão feita por um repórter: “O Montrezl Harrell está no campo, irmão. Essa é a grande diferença!”

Efetivamente os Lakers, no final da época e sobretudo nos playoffs, deixaram de recorrer a Trezz. Esta decisão deixou o jogador extremamente frustrado que agora está a fazer de tudo para mostrar a todos como estavam errados. Montrezl tem sido uma das principais armas ofensivas dos Wizards e está muito satisfeito com o seu papel nesta equipa. Vejam os highlights na vitória frente aos Cavs:

Importa também realçar que o ex-base dos Nets, Spencer Dinwiddie, tem feito um trabalho espetacular a gerir a ofensiva com Beal. Dinwiddie está a registar 15 pontos por jogo, bem como 5 ressaltos e 6 assistências. Uma performance muito sólida por parte do base que contribui muito para a organização do ataque e consegue fazer com que Beal não se canse mais do que o necessário.

Apesar de todos estes fatores serem importantes, quiçá o fator crucial foi a mudança de treinador. Wes Unself Jr. mudou totalmente o sistema de Washington – fazer o passe extra, confiar nos parceiros, esforço na defesa. É crucial que o treinador consiga fazer com que todos os jogadores confiem uns nos outros e tenham boa química entre eles. Mas, o trabalho que tem feito a nível defensivo tem sido estupendo. Já quando era treinador adjunto dos Nuggets Unseld era considerado um especialista defensivo. Foi contratado, precisamente, para melhorar a defesa dos Nuggets que logo no ano seguinte à sua contratação a equipa de Denver passou da 24ª classificação em termos denfensivos, para o 10º lugar. E o mesmo se passou em Washington. Atualmente, os Wizards têm a 4ª melhor defesa da NBA! No ano passado estavam no 20º lugar. Verdadeiramente impressionante. Bradley Beal referiu que o coach puxa muito por eles a nível defensivo e que tem pressionado sobretudo Beal, que tinha a fama de ser um bom defesa no início da sua carreira, mas que nos últimos anos se tem desleixado. O All-star, numa entrevista explicou: “Nos primeiros anos da minha carreira ele [Unseld] viu que eu era uma boa defesa e ele odeia o facto de a minha defesa ter piorado nos últimos anos. Portanto ele tem-me pressionado muito para me esforçar mais e como temos muitos bons jogadores no lado ofensivo isso tira muita pressão de mim e permite que me foque e me canse mais na defesa”.

Rui Hachimura anda “desaparecido” mas pelo que consta é capaz de voltar de uma lesão dentro de duas ou três semanas. O center tem feito muita falta à equipa e sendo um jogador em ascensão, vai trazer muitas qualidades à equipa. Os Wizards, que já estão muito bem, só vão ficar ainda melhores…

É irrealista pensar que os Wizards vão conseguir segurar este 1º lugar, se calhar até vai ser difícil acabar no top 4, mas parece que esta equipa vai dar muita luta e vai certamente fazer estragos nos playoffs!

João Araújo Correia

Licenciado em Direito, 23 anos e sou fã incondicional dos Clippers desde a era da Lob-City. Desde pequeno que adoro basquetebol, tanto de ver como jogar! Apesar do Patrick Beverly estar enganado quanto aos próximos 5 anos serem dos Clippers, espero que seja, pelo menos, 1!

Deixe uma resposta