Os maiores erros das equipas nesta off-season – Parte 4

Chegamos até a metade desta série e a pausa, justa por sinal, foi por causa do nascimento de meu terceiro filho, a Anne Maria, que seja bem vinda à este mundo!!!

Pois bem, até aqui falamos das equipas que cometeram pequenos erros, que torraram uma graninha a mais sem tanta necessidade assim e das que perderam boas oportunidades.

Nesta quarta parte da série apresentamos as equipas que cometeram erros de planejamento. Confira:

Qual é o plano?

Atlanta Hawks: esqueceram do poste
Os Hawks têm um dos melhores alicerces da liga, com grandes jovens talentos e contractos expirantes de veteranos.

As escolhas de draft De’Andre Hunter e Cam Reddish ajudaram a ter mais munição ao redor de Trae Young e John Collins. Kevin Huerter teve números de 38,5% no aproveitamento das bolas de três como novato. O único buraco em Atlanta? A posição de poste!

Os Hawks perderam seu poste titular Dewayne Dedmon na free agency para os Kings restando apenas como postes no elenco Alex Len, Damian Jones e a escolha de segunda rodada de 2019, Bruno Fernando.

Len é até bom o bastante para uma rotação, mas não para ser titular. Com isso, os Hawks podem ser forçados a usarem Collins mais na 5, mesmo que ele só tenha tido esta experiência em apenas 18% de seu tempo de quadra na época passada.

Boston Celtics: dizer que Enes Kanter era o plano A
Os Boston Celtics fizeram o melhor que puderam depois de uma off-season devastadora que tiveram com as perdas de Kyrie Irving e Al Horford.

Assinaram com Kemba Walker por quatro anos e $141 milhões de dólares de contracto máximo, pelo menos um “band-aid” nas feridas abertas, mesmo que o verdadeiro valor desta equipa esteja no crescimento dos jovens Jason Tatum e Jaylen Brown.

Precisando de um poste, Enes Kanter dará a Boston rebotes e uma sólida atuação ofensiva, mesmo que ele seja bem inferior defensivamente se comparado a Horford.

Para o presidente das operações de basquetebol da equipa, Danny Ainge, assinar com Kanter era parte do plano A, e isto é totalmente ridículo, dado a sua classe de agente livre. Kanter foi simplesmente dispensado pelos Knicks depois de ter fracassado na busca de uma troca.

Ainge pode até dizer que Walker era parte do plano A, mas Kanter era parte desse plano A?

Chicago Bulls: manter Kris Dunn
Os Bulls claramente não abraçaram a ideia de que Kris Dunn é o base oficial da equipa, fato evidenciado pela escolha do base de North Carolina Coby White na 7ª escolha do draft deste ano e no contracto de $30 milhões dado ao base Tomas Satoransky, ex- Washington Wizards.

Este último é bom o suficiente para ser o titular pelos Bulls depois de ter médias de 10,7 pontos, 4,3 rebotes e 6,2 assistências nas 54 partidas que jogou pelos Wizards época passada como titular. White é uma aposta para o futuro. Então, como fica Dunn? Está bem claro que sua hora como potencial principal jogador da franquia acabou.

Enquanto os Bulls podem usá-lo como peça na rotação da equipa, quão feliz estará Dunn em ser potencialmente o terceiro base da equipa com a free agency se aproximando no próximo verão?

Uma troca teria sido o melhor para ambas as partes.

Orlando Magic: estocagem de extremos
Os Magic estão aparentemente tentando iniciar uma revolução na NBA, uma vez que eles jogam com cinco extremos ao mesmo tempo.

Já contando com Aaron Gordon e Jonathan Isaac, dois extremos que frequentemente são forçados a sair de suas posições, os Magic assinaram com Al-Farouq Aminu dos Blazers e escolheram o extremo de Alburn Chuma Okeke como sua primeira escolha no draft. Isto sem contar que a equipa já possui no seu frontcourt o poste Nikola Vucevic, que retornou com um contracto de $100 milhões e quatro anos, Mo Bamba e Khem Birch.

Aminu certamente valeu os seus $29 milhões de contracto de três anos mas, Orlando precisa desesperadamente de mais poder no backcourt e no perímetro, mesmo que trazendo de volta Terence Ross em um contracto de quatro anos.

Pelo mesmo preço pago a Aminu, Orlando poderia ter trazido Jeremy Lamb, Seth Curry ou George Hill.

Phoenix Suns: feito trocas no draft, selecionando Cam Johnson
Mesmo com a adição de Ricky Rubio, um base passador que os Suns precisavam, o maior erro da franquia foi ter deixado passar no draft jogadores como Jarret Culver e Coby White na troca que fez com os Minnesota Timberwolves pela escolha nº 11.

Phoenix foi um dos piores na defesa, uma área que Culver poderia ajudar muito e Coby White poderia ser o base principal da franquia no futuro, aprendendo com Ricky Rubio enquanto trilhava seu caminho na NBA.

Ao invés disso, os Suns escolheram Cameron Johnson de 23 anos de North Carolina. Enquanto Johnson é um excelente atirador (média de 40,5 em sua carreira universitária), ele não chega nem perto do talento de Culver ou White, que ainda por cima, são três e quatro anos mais novos que ele, respectivamente.

A série vai se aproximando do final, restando ainda analisar os maiores erros de 10 equipas. Se o choro da filhinha deixar, termino o mais rápido possível. Até a próxima parte!

Raphael Amaral

Pai, esposo, professor doutor em Engenharia Elétrica e um apaixonado por esportes americanos, em especial a NBA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *