Os maiores erros das equipas nesta off-season – Parte 2

Nesta parte 2 da série apresentamos as equipas que cometeram o erro de torrar grana sem a real necessidade de fazê-lo. Confira a lista:

Torrando grana

Brooklyn Nets: pagando ao DeAndre Jordan $40 milhões de dólares para ser reserva
Com todo respeito ao DeAndre Jordan, mas os Nets estão pagando a um poste supostamente reserva de 31 anos um salário que pertence a Kevin Durant e Kyrie Irving e isto é um erro.

Falamos supostamente reserva pois o jovem poste de 21 anos, Jarret Allen, que se tornou rapidamente um dos melhores postes jovens da liga, deverá ser o titular e, atrapalhar o seu progresso como jogador para dar minutos para Jordan com certeza é dar um passo atrás.

Enquanto os Nets conseguiram Durant, Irving, Taurean Prince, Garret Temple, David Nwaba e Wilson Chandler fazendo desta equipa uma equipa nota A+, pagar a Jordan essa montanha de dinheiro pareceu um deslize.

Charlotte Hornets: não ter oferecido a Kemba Walker sequer um contacto máximo
Este caso é o avesso de desperdiçar dinheiro. Os Hornets até pareciam que estavam no banco do motorista para manter a sua estrela da franquia.

Eles poderiam ter oferecido um ano a mais e $80 milhões de dólares adicionais batendo a oferta de qualquer equipa. Kemba Walker sequer comentou que Charlotte era sua primeira prioridade ou a chamando de meu lar dizendo, “É onde eu estive por oito anos e é isto tudo que eu sei,” por Jared Weiss do The Athetic’s.

Ao invés de oferecer a Walker um contracto máximo de cinco anos e $221 milhões de dólares, algo que ele mereceu depois de ser parte da terceira equipa de toda a NBA em 2018-19, os Hornets fizeram o contrário e tentaram economizar $50 milhões do acordo. Segundo Scott Fowler do Charlotte Observer, eles ofereceram “apenas” $160 milhões por cinco anos de contracto ou $32 milhões por época. Algo que não destoa muito do dinheiro anual que Walker irá receber dos Boston Celtics em quatro anos em um contracto de $140,8 milhões.

Philadelphia 76ers: pagando a extremos aproximadamente $300 milhões de dólares
Ninguém pode dizer que os 76ers tiveram uma má off-season mas, o encaixe entre as novas contratações e os jogadores que retornaram (contractos renovados) parece um pouco esquisito.

Pegar Josh Richardson dos Miami Heat por Jimmy Butler ao invés de perdê-lo como agente livre de graça foi brilhante, embora Richardson seja agora forçado a jogar de base depois de jogar 70% de seu tempo de jogo como extremo nas últimas épocas.

Isto porque os Sixers recontractaram Tobias Harris em um acordo de $180 milhões e adquiriram Al Horford por $109 milhões. O problema? Nenhum dos dois irão jogar nas suas posições originais onde mereceram estes contractos.

Joel Embiid irá forçar Horford para a extrema, uma posição que ele certamente será capaz de jogar, embora tenha jogado apenas 17% de sua carreira como um 4 e, Harris será empurrado para o perímetro, onde ele jogou apenas 3% de seu tempo de quadra nas últimas duas épocas.

Os Sixers teriam se saído melhor se tivessem escolhido ou Harris ou Horford e investido o dinheiro extra trazendo de volta um chutador afiado como JJ Redick e deixando todos jogando em suas posições naturais.

Sacramento Kings: venceu uma guerra de ofertas por Harrison Barnes contra … eles mesmos?
Embora fora de uma lista dos top 25 agentes livres disponíveis no mercado neste verão, Harrison Barnes terminou com o 13º maior contracto em ambos os quesitos: valor total e anual.

Seu contracto de quatro anos para ficar em Sacramento pagará $85 milhões de dólares, ou $21,3 milhões anualmente. Se este foi o preço que bateria qualquer melhor oferta pelos serviços de Barnes, que seja, mas, quem mais o ofereceu essa quantidade de dinheiro?

O acordo também se sobrepôs a potenciais extensões de contracto para jogadores como De’Aaron Fox, Buddy Hield e Marvin Bagley III, possivelmente sobrecarregando o orçamento futuro da equipa. Sacramento deveria ter oferecido um valor menor ou menos anos de contracto, desafiando Barnes a encontrar uma oferta melhor em qualquer outro lugar. Ele poderia não ter encontrado.

San Antonio Spurs: a saga DeMarre Carroll/Marcus Morris
DeMarre Carroll foi a maior aquisição dos Spurs nesta off-season e o extremo de 33 anos deve cair como uma luva na rotação de Gregg Popovich.

O acordo original entre Carroll e os Spurs foi de dois anos de contracto e $13 milhões de dólares, perfeitamente justo visto que o veterano teve um aproveitamento de apenas 39,5% pelos Nets época passada com 11,1 pontos e 5,2 rebotes por jogo.

Entretanto, os Spurs refizeram o acordo e adicionaram um terceiro ano, elevando o valor total para $21 milhões. A razão? De acordo com Bobby Marks da ESPN americana, isto fez com que San Antonio pudesse preservar seus $9,3 milhões de exceção.

Isto foi um movimento esperto que possibilitou aos Spurs assinarem com Marcus Morris um acordo de dois anos e $20 milhões. Enquanto Morris parecia comprometido com os Spurs, ele recuou para se juntar aos New York Knicks em um contracto de $15 milhões por um ano.

Por conta disso, San Antonio ficou com Carroll em um terceiro ano de contracto aos 35 anos e sem Morris.

Na próxima parte da série, apresentaremos as equipas que cometeram o erro de perder oportunidades. Não percam!

Raphael Amaral

Pai, esposo, professor doutor em Engenharia Elétrica e um apaixonado por esportes americanos, em especial a NBA!

Deixe uma resposta