O golpe de génio de Ainge

Como o grande duelo nas semifinais da conferência contra os Milwaukee Bucks neste domingo às 18h, temos de pensar em como os Celtics conseguiram recrutar o agora jogador da organização.

Danny Ainge, que muitas vezes foi criticado pelo seu protecionismo em relação às picks, ainda deixou um legado incrível em Boston. Começando com Jayson Tatum, por quem os Celtics “negociaram” assim que souberam do apelo dos Magic para Markelle Fultz. Ainge não via o potencial de Fultz como os outros GMs, com o consenso de que o jogador seria considerado o número 1 por quem tivesse a escolha.

Poucos dias antes do Draft de 2017, o GM de Boston, portanto, validou a troca com os Sixers, enviando-lhes a primeira escolha contra a escolha três e uma futura da primeira ronda do Draft. Ainge tinha como alvo Tatum há muito tempo e tê-lo-ia levado em primeiro em qualquer caso. A futura escolha da primeira ronda acabou a ser Romeo Langford, que nunca conseguiu fixar-se sob as ordens de Brad Stevens, mas que, no entanto, permitiu que esse mesmo Stevens, que se tornou GM após a saída de Ainge, conseguisse Derrick White há alguns meses num acordo com San Antonio.

A carreira de Markelle Fultz até agora tem sido um fracasso, culpa das questões físicas e psicológicas em Philadelphia, que, entretanto, passaram para Orlando. Jayson Tatum, depois de uma primeira temporada sensacional e playoffs, continuou a melhorar para se tornar num All-Star e, uma das estrelas da liga.

No ano anterior, Ainge optou por Jaylen Brown, que se tornou num jogador-chave. Em 2014, foi Marcus Smart, eleito o melhor defensor da NBA em 2022. Ainge insistiu e manteve a fé em Smart, mesmo quando o seu jogo era limitado e uma troca era comentada por muitos.

Não está claro até onde estes Celtics irão este ano, mas o seu presente e futuro parecem brilhantes e isso deve-se em parte à história do GM.

Deixe uma resposta