Enes Kanter, uma história de libertação das amarras do regime

Enes Kanter, poste dos Boston Celtics, não tem tido paz nos últimos anos.

O jogador esteve envolvido durante muito tempo numa “guerrilha” com O primeiro ministro da Turquia, Erdogan, sendo considerado uma “persona non grata” no país.

Entre o mais, o país acusou Kanter e a sua família de terrorismo (O pai estaria alegadamente ligado ao movimento de oposição) e retirou-lhe o passaporte.

Desde então, Kanter ficou impedido de voltar ao seu país, de ver a sua família, os seus jogos começaram a ser censurados e chegou mesmo a ser emitido um mandado de captura internacional para deter o poste, que se via assim obrigado a não acompanhar a sua equipa em compromissos internacionais (por exemplo, jogos de pré época), com medo de represálias.

Toda esta situação de conflito geopolítico acabaria por chegar ao território dos EUA. Durante o verão, num evento de solidariedade a realizar a favor de uma minoria turca na costa Este do Atlântico, Kanter foi o convidado especial. A polémica alastrou-se com a tomada de conhecimento dos responsáveis do regime turco, que prontamente tomaram posição no sentido de obstar à sua realização, o que viriam a conseguir temporariamente, até os EUA conseguirem contornar a situação e relocalizar o evento.

O que parecia ser uma guerra sem fim com um episódio triste no final, teve um final feliz.

O novo episódio desta saga tem como chave de ouro a liberdade. Kanter obteu a nacionalidade americana e é agora um cidadão dos EUA. Com isso, fica certamente numa posição mais confortável perante o regime autoritário do seu país, em face da perseguição que tem sido levada a cabo nos últimos anos.

Longe do regime que o oprimiu, Kanter vai continuar a perseguir que se faça justiça e que os inocentes que vivem sob o regime de Erdogan consigam alcançar a tão desejada democracia. Aliás, o jogador conjuga hoje duas facetas, a de jogador e a de ativista de direitos humanos à escala global.

Por fim, aponte-se um bonito pormenor, o seu nome passou a ser “Enes Kanter FREEDOM”! (LIBERDADE), fazendo jus ao sentimento que representa esta mudança na sua cidadania.

João Pinto

Licenciado em Direito- Universidade Católica Portuguesa; Apaixonado pelo desporto e pela melhor liga do mundo; Fã dos Boston Celtics desde o título de 2008, quando uma equipa começou a dizer "Ubuntu" aos 3...

Deixe uma resposta