Análise jogo 3: 1,2,3 e já cheira a Larry O’Brien em Boston

Nesta madrugada decorreu o jogo 3 das Finais da NBA entre os Boston Celtics e os Dallas Mavericks, onde a equipa de Neemias Queta venceu 106 – 99 e pode já arrumar com o campeonato no próximo jogo.

Os Boston Celtics entraram em modo trator e meteram Dallas contra a parede com duas exibições formidáveis de Jaylen Brown e Jayson Tatum, onde combinaram para 61 pontos. Kyrie e companhia conseguiram fazer o jogo interessante no último quarto, onde já parecia estar decidido, mas não foi o suficiente para ganhar o jogo 3.

Os Jay’s voltaram

Jaylen Brown tem estado a jogar o “fino” do basquetebol, enquanto Tatum apareceu pela primeira vez hoje, na série, como marcador de pontos. Brown arrancou mal, fazendo apenas 6 pontos na primeira parte, no entanto, explodiu na segunda com 24 pontos. O extremo também apanhou 8 ressaltos e distribuiu 8 assistências.

Por outro lado, Jayson Tatum esteve constante o jogo inteiro, menos no último quarto, onde esteve 1/5 nos seus lançamentos de campo.

Este retorno de Tatum à sua forma natural foi crucial para Boston fechar o jogo e, possivelmente, a série .

Temos que criticar Luka

Toda a gente adora Luka Doncic. O seu estilo imprevisível, possante, ousado e único fazem qualquer não amante do basquetebol apaixonar-se pelo 77 dos Dallas, mas Luka tem muito por onde melhorar.

Luka no jogo 2 foi “papado” jogada sim, jogada sim, deixando jogadores adversários passar por ele com grande facilidade, e neste encontro, a história foi quase a mesma.

Não sabemos se é pelo físico ou pela vontade, mas se Luka quer vencer um campeonato da NBA, não o pode fazer só a atacar. Kyrie Irving, o seu “compincha”, é um base muito mais baixo e quando chega os Playoffs, tem a tendência de defender a nível de Playoff.

Neste lance acima, Luka está em Derrick White, um dos melhores lançadores exteriores da NBA, que tem uma percentagem de acerto de 40,7%. Jrue Holiday guia muito bem a bola para o garrafão onde encontra Lively e Irving, e Luka decide juntar-se, deixando assim, um Derrick White com vista 100% aberta para o cesto.

Há quem possa dizer que este tipo de jogadas acontece por culpa do esquema defensivo dos Mavericks, que consiste em proteger o aro, no entanto, se esse for o caso, Jason Kidd tem muito em que pensar, porque não se pode deixar jogadores como White, Hauser, Tatum ou até Al Horford abertos constantemente.

19 minutos…20 milhões…0 pontos

A pouca esperança que existia em Tim Hardaway Jr. acabou. É classificado como um extremo que só sabe marcar pontos, e em 19 minutos não meteu a bola no cesto uma única vez.

Jason Kidd esteve mal em não ter experimentado Hardaway no primeiro jogo da série, porque mesmo que seja um jogador inconstante, numa noite boa, é uma peça que pode dar uns 20 pontos à equipa. Agora, Jason Kidd, tem que entender que Hardaway é um jogador que dá para ver logo quando entra em campo se vai ter um bom ou mau jogo, e neste caso, demorou 19 minutos a perceber isso.

Dallas tem hipóteses?

Nenhuma equipa na história da NBA conseguiu virar uma série de 3 – 0, por isso, Dallas vai estar sempre a jogar com a obrigação de vencer o jogo.

A equipa texana vai dar tudo e mais alguma coisa para não levaram uma “varridela”, ou seja, Boston pode não ser campeão na casa dos Mavericks.

É muito complicado virar esta série, no entanto, Dallas tem dois dos melhores jogadores do mundo, um deles já esteve numa situação parecida em 2016, e todos sabemos como isso acabou.

Daniel Pimpão

Sou um apaixonado por basquetebol, vivo e respiro este desporto que nos tira horas de sono. Tenho 19 anos e um sonho de um dia ser um dos melhores jornalistas portugueses. Estou a tirar Comunicação Social em Abrantes, no âmbito de jornalismo. Olhar sempre para a frente, mas trabalhar com a cabeça para baixo.

Deixe um comentário