Trinta por uma linha – Chicago Bulls

Em mais um dia da nossa rúbrica de análise às 30 equipas da NBA. Hoje vamos debruçar-nos sobre a temporada dos Chicago Bulls, e o que pode fazer a equipa para melhorar no futuro.

Expectativas / Realidade

Depois de uma das melhores temporadas dos últimos anos, os Bulls entravam em 22/23 otimistas para, pelo menos, uma qualificação para os playoffs. A equipa acabou no décimo lugar da conferência, com um record de 40-42, caindo posteriormente para os Miami Heat no “play-in”.

A verdade é que os Bulls precisam de alterações no seu plantel, isto se não quiserem manter-se pela mediocridade que foi esta temporada, até porque falta “massa jovem” na equipa, e a continuar assim o futuro não reserva mais que isto.

Destaques Individuais

Demar DeRozan e Zach Lavine tiveram a mesma média de pontos por jogo, com 24.5. São claramente as duas potências ofensivas da equipa, mas talvez esteja na hora da equipa abdicar de um deles, em busca de um futuro melhor. Destaque também para Nikola Vucevic, que realizou mais uma temporada consistente a nível estatístico, com média de 17 pontos e 11 ressaltos por jogo.

O problema dos Bulls está evidentemente na produtividade que sai (ou não sai, neste caso) do banco. A rotação da equipa é curta ,tendo em conta os objetivos que pretendem alcançar. É por isso que são necessárias alterações no plantel para poder ambicionar algo mais.

Futuro

Avizinha-se um Verão agitado em Chicago. Com vários free agents, que podem nem ver os seus contratos renovados, os Bulls terão de apostar em “role players” que possam facilmente contribuir para o seu estilo de jogo e rendimento. Abdicar de Lavine ou DeRozan seria a forma mais simples de o fazer, até porque já existem rumores que os Blazers estariam dispostos a oferecer a 3ª escolha do draft pelo ex-Raptor. Caso este cenário aconteça, seria uma oportunidade de ouro para os Bulls começarem a juntar algum talento jovem no seu conjunto, com a entrada de Brandon Miller ou Scoot Henderson.

A “rebuild” parece ser, a curto-médio prazo, um caminho inevitável para a equipa de Chicago. Ainda por cima tendo em conta a situação de Lonzo Ball, que continua sem data de regresso marcada. Existe ainda a questão de Zach Lavine ser ou não a “estrela” ideal para liderar o projeto dos Bulls. Mas é um cenário que pode ser evitado, com as decisões certas.

O que se pode concluir, definitivamente, é que os Bulls terão de fazer várias alterações neste mercado de Verão, tentando reforçar o seu plantel para que possa ser suficientemente competitivo. Vucevic será “free agent” no verão, assim como Coby White, Derrick Jones Jr, Andre Drummond e Patrick Beverley. Oportunidade perfeita para reformular o banco?

Vasco Oliveira

Estudante de Ciências da Comunicação com o sonho de um dia poder trabalhar no jornalismo desportivo. @vascoliveira8 no Twitter

One thought on “Trinta por uma linha – Chicago Bulls

Deixe um comentário