Será mesmo o fim de uma era em San Antonio?

Com a série de maus resultados e a possível retirada de Popovich à vista, chegámos mesmo ao fim de um ciclo de sucesso no Texas?

Nos últimos anos, os San Antonio Spurs têm sido símbolo de equilíbrio e gestão na liga. Há 22 anos consecutivos que não falham a presença nos Playoffs, conseguido nessas presenças 5 campeonatos (1999, 2003, 2005,2007 e 2014). 

Tudo isto se deve à fantástica capacidade de liderança de Gregg Popovich, treinador que comanda a equipa desde 1996. Mas nem todo o sucesso  se deve ao técnico, afinal, quem joga são os jogadores, e por trás de uma boa tática tem de haver quem a saiba executar. David Robinson, Sean Elliott, Avery Johnson, Tim Duncan, Manu Ginobili e Tony Parker são os maiores nomes do franchise texano, sendo estes últimos três os que mais marcaram a diferença juntos.

Numa semana em que foi retirada a camisola de Tony Parker, o último membro deste “big three” a ver a sua camisola retirada no AT&T Center, os Spurs somaram um dos piores registos, somando já 5 derrotas consecutivas. Coincidentemente, o ano passado os Spurs também tiveram um mau arranque, mas mais um golpe génio de Popovich acabou por calar os críticos, que há tanto dizem que o recorde de presenças consecutivas em Playoffs vai acabar. A questão é: Será que estes Spurs têm capacidade e qualidade para voltar a estar entre as 8 melhores equipas do Oeste este ano?

DeMar DeRozan (20.2 ppg, 4.7 rpg e 4.8 apg) e LaMarcus Aldridge (17.5 ppg, 5.9 rpg e 2.3 apg) são as duas principais estrelas da equipa, porém não se têem demonstrado como tal. Dejounte Murray é talvez a maior esperança dos adeptos, um jogador jovem, com um grande potencial defensivo e margem de evolução,que vem de uma época em que esteve parado devido a uma lesão grave contraída num dos jogos de pré época. A equipa conta ainda com outros membros importantes como Bryn Forbes, Derrick White, Patty Mills, etc… Mas o maior problema dos Spurs parece mesmo estar nas suas “estrelas”.

LaMarcus Aldridge tem sido das principais figuras dos Spurs nos últimos anos, tendo sido selecionado para o All-Star Game nestas duas últimas épocas. A sua melhor perfomance este ano foi contra os Oklahoma City Thunder onde registou uns surpreendentes 39 pontos, com 19/24 de field goal. Mas fora este jogo, o jogador tem sido completamente o contrário esta época, somando poucos pontos e pouca eficácia. Talvez o facto deste já ter 34 anos pese um pouco nas suas exibições, o jogador tem contrato até ao final da época 2020-2021, e caso estas más exibições continuem, penso que o melhor para os Spurs seria tentar uma eventual troca.

DeRozan veio de uma das suas melhores épocas, teve recordes pessoais em ressaltos e assistências, tornando-se um jogador mais tático. Nos primeiros jogos da época apresentou-se com bons números, mas tem vindo a diminuir as suas estatísticas. O problema de DeRozan não são as estatísticas, mas sim as más decisões que toma ao longo dos jogos, tenta ser um líder e não consegue, cometendo imensos “turnovers” que acabam por crucificar os Spurs. Já se fala numa eventual troca para uma equipa da conferência Este (os rumores dão como favoritos os Orlando Magic), mas caso essa troca se realize, será uma decisão acertada dos Spurs?

Ao trocar DeRozan o máximo que a equipa texana poderia adquirir seria um jogador de média qualidade e algumas picks no draft, algo que não iria dar jeito para começar a ter resultados esta época. Restaria então a opção de fazer “tanking” para começar um novo ciclo através de uma rebuild.

Restam então estas duas opções: ambos os jogadores começarem a realizar melhores exibições contribuíndo para melhores resultados da equipa, ou trocar ambos e tentar fazer uma rebuild tal como os Golden State Warriors estão a fazer este ano.

Na verdade, esta segunda opção foi algo que já foi feito por Popovich. Na época 1996/97, os Spurs tiveram o seu pior registo (20-62), porém, este registo fez com que estes adquirissem a primeira pick do draft de 1997, onde selecionaram Tim Duncan, aquele que é considerado por muitos o melhor jogador da franquia.

Esta pode ser a última época de Gregg Popovich ao comando dos Spurs, até porque o contrato do treinador termina em junho de 2020 e a isso junta-se o fator deste já ter 70 anos. A sua assistente Becky Hammon fez história no último jogo, pois após Popovich ser expulso, foi ela quem tomou o comando da equipa, sendo a primeira mulher a fazê-lo na NBA. Porém há outro assistente, obviamente favorito dos adeptos, Tim Duncan foi chamado pelo técnico e não recusou a proposta e já se fala que será este a tomar as rédeas da equipa após o “adeus” do lendário treinador.

Com isto, só nos resta esperar para ver o que irá acontecer. Será que mais um truque de Popovich pode salvar os Spurs? Ou vão optar pela mesma opção que na época 1996/97 para adquirir um bom jogador no draft?

Vasco Oliveira

O adepto dos San Antonio Spurs que não consegue esquecer Kawhi Leonard.

Deixe uma resposta