O novo indicador estatístico que está a chegar à NBA!

Muito interessante. Senthil Natarajan, da Nylon Calculus – o departamento de basketball analytics do FanSided -, introduziu um novo indicador estatístico que promete ser muito útil, quer para os analistas, quer para os fãs da NBA: o triple-threat chart. O gráfico consiste em mapear por zona (apenas na metade ofensiva da quadra) as decisões individuais dos jogadores: drible, passe ou lançamento. Para tal, assinalou com um círculo colorido (vermelho para drible, verde para passe, azul para tiro) a localização exata do jogador com a bola na mão e o que fez com ela, dentro das 3 opções possíveis.

Natarajan testou a sua ideia revendo o jogo 6 das meias finais da conferência oeste da temporada passada, que colocou frente-a-frente Warriors e Rockets, chegando a algumas conclusões interessantes:

O ataque dos Warriors: bola sempre em movimento à procura do lançamento fácil debaixo do cesto ou do triplo sem marcação
O ataque dos Rockets: dribles e penetrações à procura do afundanço ou do homem livre para atirar de triplo

– Os Rockets tiveram apenas 61 toques, contra 107 dos Warriors. Esta discrepância reflete a maior movimentação da bola da equipa de Steve Kerr, contrastando com a elevada usage rate de James Harden. Nesse jogo, os Warriors fizeram 50% mais passes do que os Rockets: 325, contra apenas 219. Curioso notar também que os Rockets chegaram à metade ofensiva através do passe nada menos do que zero vezes.
– Os ataques dos Warriors começam maioritariamente através de passes na zona atrás da linha de triplo (18 vezes), contrastando com a bola nas mãos de Harden do lado contrário. Nesse jogo, os Rockets driblaram 230 vezes mais do que o adversário.
– Enquanto os Warriors ocasionalmente passavam a bola a partir do poste baixo, os Rockets apenas contaram duas ações fora da área pintada ou para lá da linha de 3 pontos. Como é habitual nas equipas de D’Antoni, a zona da meia distância é quase proibida.
– Naturalmente, depois é possível detetar tendências comportamentais dos jogadores e das equipas, através da mancha de círculos em determinadas zonas do campo. No caso dos Warriors, os dribles surgem mais a partir do lado direito, os passes mais do lado esquerdo, e os lançamentos preferidos são os afundanços e os spot-up threes do lado esquerdo. No caso dos Rockets, os dribles ocorrem muito mais do lado esquerdo (devido à mão forte da sua superestrela), os passes são de tal forma raros que demonstram que as jogadas ofensivas, por norma, não começam a partir do passe, e os lançamentos mais comuns são também os afundanços e os spot-up threes (mas do lado direito).

E em que medida as equipas podem retiram proveito de gráficos como estes? Podem, por exemplo, ser extremamente úteis para perceber tendências individuais dos atletas de uma forma mais científica, assim como das equipas. Deste modo, a equipa que defende pode prever comportamentos de uma forma mais eficiente e adaptar estratégias consoante a zona onde está a bola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *