Brasil eliminado por diferença de pontos

No último jogo do grupo K e da segunda fase de grupos do Campeonato do Mundo, os Estados Unidos confirmaram o favoritismo e derrotaram o Brasil por 89-73, continuando invictos no torneio. Já para os brasileiros, que apenas precisavam de vencer para seguir em frente, este foi o último jogo na competição. A turma de Petrovic ficou com um score de 3-2, tal como a República Checa e a Grécia mas, como tinha a pior diferença de pontos das três seleções, ficou no último lugar do grupo.

Quanto ao encontro, a superioridade norte-americana sempre pareceu evidente, ainda que os brasileiros se tenham mantido vivos no jogo até ao final do terceiro período. Nesse momento, com um espetacular buzzer beater de triplo, Marcus Smart colocou o jogo a 11 pontos de diferença, uma distância que se revelou demasiado larga para o Brasil recuperar. No último período, com os brasileiros a fazerem um último esforço ofensivo para se manterem no torneio, faltaram pernas na defesa para acompanhar os sempre rápidos e atléticos jogadores americanos. Neste aspeto, mérito total para a equipa técnica de Popovich, que espaçou completamente o court – muitas vezes jogando com 5 abertos -, de maneira a explorar a veterania e lentidão do Brasil com jogadas de isolamento e penetrações sem grande oposição na área restritiva.

Do lado brasileiro, o suplente Vítor Benite esteve a um grande nível, com 21 pontos e 4/5 da linha de 3. Varejão também esteve a um bom nível, com 14 pontos e 8 ressaltos (a juntar à sua grande visão de jogo), mas sofreu um pouco perante o atleticismo e mobilidade de Myles Turner, enquanto Leandrinho anotou 14 pontos mas esteve desastrado da linha de 3 (0/3). Já Huertas, Alex Garcia, Marquinhos e Caboclo estiveram abaixo do que já demonstraram.

Do lado dos vencedores, além do já mecionado Turner (16 pontos, 8 ressaltos e 2 steals), o destaque maior foi Kemba Walker (16 pontos, 5 assistências), com a habitual eficácia no tiro e dinamismo que coloca em cada posse de bola, comentendo ainda apenas 2 turnovers. Barnes e Brown também chegaram aos dois dígitos, num jogo em que Tatum e Plumlee não foram utilizados por opção técnica.

Nos quartos de final, os Estados Unidos jogarão com a França, num entusiasmante confronto em perspetiva, no dia 11 às 12 horas. Por seu turno, o Brasil termina a sua prestação neste Mundial: um desempenho que começou por superar as expetativas (primeiro lugar no grupo da Grécia), seguido da desilusão da derrota com a República Checa, que acabou por se revelar decisiva.

Deixe uma resposta