A fórmula para vencer os Bucks

O primeiro jogo não correu de feição aos Boston Celtics, que sairam derrotados no seu pavilhão frente aos Milwaukee Bucks, perdendo assim a vantagem do fator casa.

Se para muitos a justificação está apenas e só na exibição monstruosa de Giannis, engana-se quem pensa que foi apenas isso…

Existem alguns fatores anormais que de certa maneira podem justificar o dia menos bom.

Desde logo, muitos turnovers para a equipa de Boston, quase o dobro da sua média da fase regular. Depois, uma combinação de má seleção de lançamento com falta de acerto. Os Celtics procuraram demasiados triplos, perdendo oportunidades de encontrar a melhor solução ofensiva lançaram 50 triplos e só converteram 18).

Não é que o normal não seja a qualidade dos jogadores dos Celtics poder ter uma eficácia melhor. Bem sabemos que os verdes têm capacidade de tiro. O problema esteve, acima de tudo, nos lançamentos contestados que tentaram. A defesa do garrafão com Giannis e Lopez dificultou as penetrações e empurrou os Celtics para fora do “arco”. Talvez não estivessem à espera de tanta pressão lá dentro.

O desfecho foi o que se sabe, os Bucks conseguiram enervar os Celtics e atacaram os seus pontos fracos, principalmente as penetrações e o ressalto ofensivo. Giannis esteve em todo o lado e quando assim é também fica mais complicado defender.

O treinador dos Celtics,Udoka, abordou os problemas do Jogo 1:

Não devemos insistir tanto quanto fizemos em lançamentos de 3 contestados…

Sabemos a forma como eles defendem, é preferível encontrar o homem livre e o lançamento fácil.

Sempre que tentamos forçar contra a altura e físico deles, ficamos em desvantagem, não podemos fazer isso, vamos ter de ajustar-nos.

Outro problema esteve em não gerir a emoção do apoio do público. Quando recuperas a bola é um barulho ensurdecedor no pavilhão, um hype fora do comum porque os fãs querem que a bola entre no cesto. As nossas cavalgadas não ajudaram nisso, sabemos jogar de forma mais paciente, temos de envolver toda a equipa para confundir as marcações deles.

João Pinto

Licenciado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa; Apaixonado pelo desporto e pela melhor competição de basquetebol do mundo

Deixe uma resposta