A análise da nova época à lupa – Divisão Atlântico

Guia da temporada NBA 2020-21 – As equipas

Existem quatro equipas que ambicionam ir longe nos playoffs, Boston Celtics, Brooklyn Nets, Philadelphia 76ers e Toronto Raptors. Mas quem terá os melhores argumentos para ir até final?

Image with no description

Boston Celtics

Os Boston Celtics têm estado consistentemente no topo da conferência este nos últimos anos, mas o franchise não tem conseguido o objetivo de chegar às finais.

Entradas

  • Draft: Aaron Nesmith (No. 14), Payton Pritchard (26), Yam Madar (47)
  • Free Agency: Tristan Thompson (Cleveland Cavaliers), Jeff Teague (Atlanta Hawks), Tacko Fall (Two-way)

Saídas

  • Trocas: Vincent Poirier (Oklahoma City Thunder), Enes Kanter (Portland Trail Blazers)
  • Free Agency: Gordon Hayward (Charlotte Hornets), Brad Wanamaker (Golden State Warriors)

Principais estatísticas 2019/20

A estratégia

Os Celtics chegaram às finais da conferência três vezes em quatro anos, na última temporada estiveram próximos e perderam em seis jogos com Miami, embora Boston tenha marcado mais pontos na série do que o adversário. A saída de um jogador importante como Hayward tem impacto, mas no ano passado os Celtics têm conseguido corresponder ano após ano com várias soluções no plantel.

Jeff Teague deve aliviar Kemba Walker e Marcus Smart na construção do jogo, com Tristan Thompson há competição para o lugar de Daniel Theis. Porém o antigo jogador dos Cavs irá perder a preparação da época.

Fora isso, a equipa está bem desenhada, os pilares são Jaylen Brown e Jayson Tatum, que chegaram à equipa All-NBA. Além disso, o treinador Brad Stevens espera um salto qualitativo de outros jovens jogadores. Grant Williams já jogou minutos importantes nos playoffs como rookie, e os atuais rookies, Nesmith e Pritchard deverão fazer parte da rotação.

As vulnerabilidades

Por mais que o contrato de Gordon Hayward tenha sido criticado em Charlotte, o jogador de 30 anos jogou uma temporada boa, especialmente no início. No entanto, há uma lacuna nos suplentes de Brown e Tatum, que principalmente jogadores jovens como Nesmith, Williams ou o ainda lesionado Romeo Langford têm de colmatar.

Além disso, a condição de Walker é preocupante. Antes da pandemia, o jogador teve queixas nos joelhos e foi protegido pelos Celtics nos meses que se seguiram. Não ajudou, mesmo na bolha o base parecia às vezes inibido e não tão explosivo quanto se esperava. No início de outubro, um tratamento foi aplicado no joelho, Walker vai perder as primeiras semanas da temporada.

A equipa

A esperança

Na ausência de Walker, o foco vai estar mais uma vez em Tatum, mas ao mesmo tempo Jaylen Brown também deve dar o próximo passo. A terceira pick de 2016 melhorou continuamente ano após ano e também amadureceu, e tornou-se uma estrela na sombra de Tatum. Agora deverá haver ainda mais responsabilidade sobre os ombros, especialmente na pontuação e criação de jogo.

Brown é um bom lançador e defesa, agora a tarefa será criar mais lançamentos para ele do que para os outros. Poderá desgastar o adversário mais vezes? Poderá mexer com a defesa contrária? Se Brown responder a estas perguntas positivamente, os Celtics, e especialmente Tatum, terão uma grande ajuda.

Tatum tem a responsabilidade de levar a equipa para a frente, os playoffs mostraram isso claramente, mas precisa da ajuda de Brown.

 Conclusão

Os Celtics voltarão a jogar pelo título da conferência Este nesta temporada. Boston tem uma estrela em Tatum, e Walker, Brown, Smart e Theis encaixam-se perfeitamente no sistema. Especialmente na temporada regular, os Celtics deverão beneficiar deste cinco base, agora com os veteranos Teague e Thompson.

Além disso, existem vários jovens jogadores na equipa, que poderão surgir. Os Celtics são falados por terem perdido uma grande hipótese de chegar às finais na temporada passada. Agora cabe a eles refutar essa tese. Previsão: 1º lugar na Divisão Atlântico.


Brooklyn Nets

Após uma temporada de transição, os Nets estão em modo de ataque. Kevin Durant e Kyrie Irving estão em forma novamente, e Steve Nash é o novo treinador.

Brooklyn Nets - Wikipedia

Entradas

  • Draft: Reggie Perry (No. 57)
  • Trocas: Bruce Brown (Detroit Pistons), Landry Shamet (LA Clippers)
  • Free Agency: Jeff Green (Houston Rockets)

Saídas

  • Free Agency: Garrett Temple (Chicago Bulls), Jamal Crawford, Justin Anderson, Lance Thomas, Michael Beasley, Wilson Chandler, Chris Chiozza, Donta Hall, Tyler Johnson, Jeremiah Martin
  • Trocas: Dzanan Musa (Detroit Pistons)

Principais estatísticas 2019/2

A estratégia

Em Brooklyn, o foco está na força das estrelas. Em Durant, Irving, Caris LeVert e Spencer Dinwiddie, há quatro possíveis marcadores de 20 pontos na equipa. Ainda não está claro como os Nets jogarão sob o comando do novo treinador Steve Nash, mas assume-se que esta equipa queira vencer seus jogos apostando mais no ataque que na defesa.

Um lançador importante foi mantido, Joe Harris, e Landry Shamet, que veio dos LA Clippers através de uma troca, também é um bom valor. Apesar de tudo, esta equipa não poderá jogar junta por muito tempo. Há indícios de possíveis trocas envolvendo Dinwiddie, LeVert ou Jarrett Allen.

Em qualquer caso, os objetivos em Brooklyn são grandes. O título foi o motivo pelo qual Kyrie e KD assinaram com os Nets no verão de 2019. E quem sabe, talvez uma troca por James Harden dos Houston Rockets, sobre a qual tem havido tantos rumores, realmente aconteça. Como isso funcionaria em campo é outra questão.

As vulnerabilidades

Vamos supor que esta equipa continua com o elenco atual. Os Brooklyn Nets têm muitos jogadores que podem fazer criar jogo, mas são apenas parcialmente eficientes de longa distância. Apesar de Harris e Shamet, poderá ser pouco. A hierarquia de quem irá conduzir o jogo e quando ainda não foi consolidada, poderá haver problemas no início.

Ao mesmo tempo, a defesa é outro ponto, os Nets têm poucos bons defensores. O melhor será provavelmente Bruce Brown, mas ele não estará em campo com muita frequência. Além disso, o problema do poste permanece. DeAndre Jordan continua a jogar com um duplo-duplo em média, mas não está mais no nível dos seus tempos nos Clippers e está menos móvel, Jarret Allen terá de continuar a melhorar.

A equipa

A esperança

 Kevin Durant, o antigo MVP está apto novamente após a rotura do tendão de Aquiles, teve uns 18 meses para recarregar as baterias. Aos 32 anos, KD atingiu o último terço de sua carreira.

No entanto, o seu jogo irá viver menos da explosão física. Através da sua altura continuará a ser um dos melhores lançadores da liga mesmo em péssimas condições físicas, mas o seu arsenal de jogadas e lançamentos será diferente. Mas está claro que os Nets precisam de um Durant que seja um dos cinco melhores jogadores da liga para realmente ser uma equipa de topo no Este.

Conclusão

Nenhuma equipa no Este será mais difícil de avaliar do que os Nets. Em teoria, têm um plantel capaz de ir às finais de conferência, mas isso não significa muito, os Philadelphia 76ers da pré-temporada podem dizer algo sobre isso. Durant e Irving tiveram lesões longas recentemente, há certos pontos de interrogação sobre a condição deles.

LeVert e Dinwiddie podem entrar na equação, mas ao mesmo tempo estão constantemente em boatos de trocas, o que nunca foi bom para o moral dos jogadores. Portanto, pode-se dizer que os Nets podem idealmente ser a melhor equipa do Este, mas ao mesmo tempo também podem rapidamente. Como costuma acontecer, a verdade está em algum lugar no meio. Previsão: 3º lugar na Divisão Atlântico.


New York Knicks

Esteve tudo relativamente calmo no Madison Square Garden durante a offseason. Os Knicks tinham muito dinheiro à disposição, mas não o deitaram pela janela com as duas mãos. Com o novo treinador Tom Thibodeau e da equipa definida por Leon Rose, podem ser tempos de mudança.

New York Knicks logo

Entradas

  • Draft: Obi Toppin (No. 8), Immanuel Quickley (25)
  • Free Agency: Alec Burks (Philadelphia 76ers), Nerlens Noel (Oklahoma City Thunder), Austin Rivers (Houston Rockets), Michael Kidd-Gilchrist (Dallas Mavericks)
  • Trocas: Omari Spellman, Jacob Evans (ambos Minnesota Timberwolves)
  • Saídas
  • Free Agency: Bobby Portis (Milwaukee Bucks), Maurice Harkless (Miami Heat), Kadeem Allen, Damyean Dotson (Cleveland Cavaliers), Wayne Ellington (Detroit Pistons), Jared Harper
  • Trocas: Ed Davis (Minnesota Timberwolves via Utah Jazz)
  • Draft: Taj Gibson, Wayne Ellington, Kenny Wooten

Principais estatísticas 2019/20

A estratégia

De todas as equipas nesta divisão, os Knicks são os únicos que não têm ambições sérias para os playoffs, mesmo que a décima posição no Este dê direito ao torneio de play-in. Após o catastrófico verão de 2019, o novo presidente Leon Rose, desta vez, teve cautela e conteve o mercado.

Em vez disso, a temporada gira em torno de jovens que poderão dar cartas no futuro. Em Austin Rivers, Alec Burks ou Nerlens Noel vieram alguns veteranos, mas não vão tirar minutos de RJ Barrett, Mitchell Robinson e companhia.

O equipa não tem nenhuma estrela, mas considerando o draft de 2021, pode não ser uma má ideia ficar mais um ano sem nenhuma, especialmente se nenhum espectador for permitido no exigente MSG durante grande parte da temporada. A questão será se o ambicioso novo treinador Tom Thibodeau também quer manter esta linha. No entanto, Thibs não terá escolha.

 As vulnerabilidades

Ainda existem muitas. Os Knicks tiveram dois grandes problemas na temporada passada, a posição de base e a eficácia de lançamentos. Poucas coisas mudaram em ambas, e é por isso que os fãs dos Knicks não devem presumir que as coisas vão ser melhores em termos de jogo.

Elfrid Payton continua a ser um base criativo, mas a sua fraqueza no lançamento é tão evidente que não tem conseguido melhorar. Frank Ntilikina é um bom defensor, mas ainda não sabe fazer pick’n’roll. 

Os Knicks têm novamente quatro jogadores mais fixos na posição 4 e 5, e não permitem outro tipo de estratégia. Deverá ser difícil para Barrett, um extremo, conseguir outro tipo de jogadas. Falando em extremos, aqui existe uma lacuna enorme.

A equipa

A esperança

Os fãs dos Knicks adoram os seus heróis da sua cidade natal, em Obi Toppin, os Knicks escolheram um. O pai de Toppin era uma lenda do streetball em Brooklyn, e agora o filho pode fazer o seu próprio nome. Foi o melhor jogador universitário da temporada e aos 22 anos vai ajudar a equipa.

É uma pena que na posição quatro esteja Julius Randle, mas Toppin terá as suas oportunidades. Os fãs dos Knicks irão gostar de o ver e possivelmente a oitava escolha no draft também terá uma palavra séria na corrida pelo prémio de rookie do ano.

 Conclusão

Depois do fracasso da última temporada, a Big Apple está ciente de que a próxima temporada deve ser vista como mais um ano de transição. Thibodeau é um grande nome e promete tornar os Knicks relevantes novamente, mas também não faz magia.

A equipa não é apenas fraca em termos de jogadores, mas também é organizada de forma assimétrica no que são os requisitos da NBA moderna. Em última análise, será sobre se Barrett, Robinson e Toppin podem fazer parte da próxima grande equipa dos Knicks. Como vai ser ainda não pode ser previsto no momento. Previsão: 5º lugar na Divisão Atlântico.

 Philadelphia 76ers

Joel Embiid e Ben Simmons juntos serão a melhor escolha? Esta questão foi muito debatida em Philadelphia, agora Doc Rivers irá tentar que resulte. Com o ex-GM dos Rockets Daryl Morey, um novo homem forte está a puxar os cordelinhos.

Philadelphia 76ers logo

Entradas

  • Draft: Tyrese Maxey (No. 21), Isaiah Joe (49), Paul Reed (58)
  • Trocas: Danny Green (Los Angeles Lakers via Oklahoma City Thunder), Terrance Ferguson (Oklahoma City Thunder), Seth Curry (Dallas Mavericks), Tony Bradley (Utah Jazz)
  • Free Agency: Dwight Howard (Los Angeles Lakers), Ryan Broekhoff (Dallas Mavericks)

Saídas

  • Free Agency: Alec Burks (New York Knicks), Raul Neto (Washington Wizards), Ryan Broekhoff, Kyle O’Quinn, Glenn Robinson III
  • Trocas: Al Horford (Oklahoma City Thunder), Josh Richardson (Dallas Mavericks), Zhaire Smith (Detroit Pistons)

 Principais estatísticas 2019/20

A estratégia

Abram espaço para Embiid e Simmons, este terá sido o lema dos Sixers para a nova época. Os grandes contratos do ano anterior (Horford, Richardson) acabaram, vieram Green e Curry, que deverão complementar melhor as duas estrelas.

O GM Morey está convencido de que Philly pode ser uma potência no Este com Embiid e Simmons, com Rivers um treinador experiente e respeitado, que deverá manter os dois grandes egos sob controle. Nos primeiros treinos, Simmons nunca se cansou de realçar que a equipa tem de “assumir a responsabilidade”. Uma circunstância que parece óbvia, mas não foi o caso no ano passado.

Não havia muitos bons lançadores na equipa. As melhorias foram feitas com Curry, Green e o rookie Tyrese Maxey. Todos eles quase não precisam da bola, especialmente os dois primeiros, como já provaram no passado. Com Dwight Howard veio um suplente para Embiid, que vai descansar por vezes numa temporada mais curta e compacta.

As vulnerabilidades

Mesmo Morey não foi capaz de resolver todos os problemas nesse curto espaço de tempo. Curry e Green são bons lançadores, mas fora isso, os Sixers quase sempre terão um cinco inicial onde dois jogadores não representam grande perigo no tiro exterior.

A questão permanece quem vai jogar ao lado de Simmons. O base clássico, que faz um pick’n’roll, ainda está a faltar. Na bolha, Philadelphia experimentou Shake Milton, mas ficou claro que ele não era a solução. Com Maxey e Curry, Rivers tem dois jogadores que podem fazer isso ocasionalmente, mas isso não será suficiente para um nível mais intenso.

A equipa

A esperança

Joel Embiid. Pode ser uma surpresa, mas o camaronês não foi eleito para nenhuma das três equipas All-NBA na temporada passada. Isso deverá ter preocupado o poste, mas foi o esperado no final da época. Ainda faltou consistência ao “The Process”, o que nos remete ao tema da “responsabilidade”.

Embiid acha que é a figura do franchise, mas isso tem de ser provado em campo. Pode não haver mais desculpas no final da próxima temporada, embora esta equipa não seja a ideal, está muito mais composta do que na época anterior. Se Embiid jogar uma “temporada de MVP” , pode ser um dos melhores defesas da liga e os fãs dos Sixers poderão sonhar.

Conclusão

Apesar de todas as críticas aos Sixers, é preciso sempre ter em mente que Simmons não estave disponível nos playoffs. Em dias de acerto, os Sixers não só podem competir contra as melhores equipas, mas também podem dominar.

O fato de a dupla Embiid e Simmons não ter passado das semifinais da conferência é preocupante, mas é possível que as mexidas em Philadelphia possam trazer outros resultados que o passado recente. Previsão: 2º lugar na Divisão Atlântico.


Toronto Raptors

Damos as boas-vindas aos Tampa Raptors à NBA! Parece estranho, mas é assim que vai ser nesta temporada, em que os canadianos vão tentar manter a consistência de temporadas passadas.

Toronto Raptors logo

Entradas

  • Draft: Malachi Flynn (No. 29), Jalen Harris (59)
  • Free Agency: Aron Baynes (Phoenix Suns), DeAndre Bembry (Atlanta Hawks), Alex Len (Sacramento Kings)

Saídas

  • Free Agency:  Serge Ibaka (LA Clippers), Marc Gasol (Los Angeles Lakers), Oshae Brissett, Rondae Hollis-Jefferson (Minnesota Timberwolves), Malcolm Miller

Principais estatísticas 2019/20

A estratégia

O presidente dos Raptors, Masai Ujiri, teve uma offseason complicada. Por um lado, queria manter a equipa em forma para um ataque aos playoffs, por outro lado, a flexibilidade deveria ser mantida para 2021, a fim de manter a possibilidade de um grande nome. Em resumo, foi alcançado com algumas perdas.

O principal free agent era Fred VanVleet, mas Ibaka e Gasol, os dois melhores da posição 5, deixaram a equipa. Provavelmente também porque os Raptors não apresentaram contratos de dois anos, que cada um deles assinou em Los Angeles. Baynes e Len não estão ao mesmo nível.

Por causa da perspetiva futura, onde se também referiu Giannis, ainda não há acordo com o possível restricted free agent OG Anunoby. Para os próximos anos, apenas Pascal Siakam e VanVleet estão vinculados a longo prazo, os dois devem manter os Raptors relevantes ao lado do ícone do franchise Kyle Lowry.

As vulnerabilidades

Uma olhadela na profundidade é o suficiente para identificar a principal fraqueza. Os Raptors carecem de profundidade em quase todas as posições. Os cinco titulares ainda devem ser um dos melhores da liga, mas vai ser curto, por isso devemos ver novamente alguns jogos importantes em que o treinador Nick Nurse deixa os titulares próximos dos 40 minutos.

Nas posições de base, apenas Powell é um jogador válido, enquanto o rookie Flynn certamente tem de ter espaço para aprender. Não ajuda o fato de Davis ter sido acusado de violência doméstica em Nova York, a sua disponibilidade para a temporada ainda é completamente incerta.

Pouco pode acontecer nas principais posições, onde Baynes está cronicamente sujeito a lesões. Em resumo, Toronto/Tampa tem apenas nove a dez jogadores para muitos minutos, o que é muito pouco, especialmente numa temporada atípica devido ao COVID-19.

A equipa

 

A esperança

Pascal Siakam. O camaronês claramente teve dores de crescimento na bolha. O momento menos bom foi a série contra Boston, em que Toronto precisava urgentemente de um marcador ao lado de Lowry e VanVleet, mas Siakam foi anulado. Nos playoffs, o jogador de 26 anos fez uma média de apenas 17,0 pontos e não acertou 40 por cento nos lançamentos de campo.

O extremo aprendeu com esta experiência bastante desagradável. Se há algo que não se pode apontar a Siakam, é a sua ética de trabalho. Siakam vai começar a temporada melhor, a única questão será se é suficiente.

Conclusão

No ano passado, os Raptors não eram a equipa mais talentosa, mas foram os primeiros atrás dos Milwaukee Bucks. Em termos de qualidade, a equipa está um degrau abaixo, mas com a sua criatividade, principalmente na defesa aplicada por Nurse, que foi um dos melhores treinadores da época regular, têm motivos para ter esperança.

Mas ele também terá de saber como usar os jogadores na rotação, aqui os Raptors perderam duas peças importantes. Em princípio, pouco deve acontecer em termos de lesões, caso contrário, os playoffs podem estar em perigo. Previsão: 4º lugar na Divisão Atlântico.

Deixe uma resposta